12 de fev de 2012

Qui Xita Bacana


Artistas quando se encontram em qualquer momento, é folia na certa e quando esses encontros acontecem no carnaval: então a alegria está declarada como um direito humano.
Após apreciar o que há de melhor no carnaval pernambucano que figuras como Wecsley Mariano, Cida Campello, Clenor Júnior, Ked Mendes, Cristina Moreno, Ricardo Buihú, Demmy Gonzaga, Morgana Lobão, Acácia Oliveira, Paulla Mangabeira, Gevaldo Cruz e tantos outros amigos de diversos seguimentos artístico-culturais começaram a alimentar a idéia de trazer a irreverência do carnaval tradicional de rua trajando fantasias e adereços que possam fazer da folia de momo natalense uma atração a parte, no início eram apenas palhaços divertindo os blocos e programações momescas, até que encontraram no elemento do chitão um divertido “pano de fundo” para ilustrar um bloco, atrelada a esta idéia fizemos uma associação direta com a música Chiquita Bacana tradicional marcha carnavalesca dos anos quarenta.
 Então em 2006 há a primeira tentativa de se levar as ruas o bloco Qui Xita Bacana. Conseguimos chamar a atenção, mas não causou tanto impacto, pois foi tudo planejado muito de última hora, porém em 2007 conseguimos impactar no carnaval natalense, chamando a atenção do público e da imprensa que circulava nessas programações.
Houve diversas tentativas de se organizar o bloco em caráter oficial, mas tínhamos também o desejo permanecermos livres e apenas acompanhando outros blocos da cidade.
Mas com o lançamento do Edital do Carnaval Potiguar da Fundação José Augusto e Secretaria Extraordinária de Cultura ficamos interessados em botar o nosso bloco na rua e dar uma nova roupagem ao carnaval, com um bloco que fomente a idéia do uso da fantasia, em especial feitas com chitão. Mas que acima de tudo não seja excludente. Que a irreverência e a cultura de paz sejam os principais adereços para ser um membro do nosso bloco, que o nosso cordão seja de abraços e mãos dadas e que o cantar coletivo seja o passaporte da folia, que crianças e idosos se purifiquem do falso moralismo e sejamos todos os anunciantes de um ano feliz.
 Vamos fazer uma saudação especial ao Mestre Cascudo, Djalma Maranhão, Mestre Lucarino e todos os brincantes vivos e encantados do nosso Rio Grande do Norte. Uma verdadeira apologia ao Orgulho de ser Potiguar.
 Queremos cantar Natal, o Rio Grande do Norte e todas as nossas personalidades e acima de tudo: sermos majestosos para nós mesmos. É com este espírito que propomos desfilar nas ruas de Natal com o bloco Qui Xita Bacana.

Serviço:
Dia 17 a partir das 17:30h. em frente ao Teatro Alberto Maranhão. Venha Fazer parte desta folia!!!